OS TRANSTORNO ALIMENTARES

A participação do nutricional no tratamento dos TA é fundamental, posto que essas doenças implicam alterações profundas no consumo, padrão e comportamento alimentares.

O tratamento nutricional deve visar à promoção de hábitos alimentares saudáveis, a cessação de comportamentos inadequados (como a restrição, a compulsão e a purgação) e a melhora na relação do paciente para com o alimento e o corpo. Mais estudos acerca do efeito do tratamento nutricional são necessários, assim como a inclusão de variáveis nutricionais nessas pesquisas, como a adequação nutricional, a freqüência de refeições e as diversas manifestações do comportamento alimentar.

Pacientes com transtornos alimentares possuem inadequações profundas no consumo, padrão e comportamento alimentar, além de diversas crenças equivocadas sobre alimentação, o que geralmente acarreta piora do estado nutricional. O tratamento nutricional visa a reverter tais alterações e promover hábitos alimentares saudáveis e melhor relação para com o alimento. Os objetivos e características do tratamento diferem para a anorexia nervosa e a bulimia nervosa, contudo, usualmente, a abordagem é dividida em duas fases: a educacional, cujas principais metas são a regularização do hábito alimentar e o aumento do conhecimento nutricional, e a experimental, que visa a propiciar maior reabilitação nutricional e mudanças mais profundas no comportamento alimentar. As evidências existentes sugerem que o tratamento nutricional promove a melhora de tais parâmetros, porém, alguns comportamentos alimentares, como a sensação de

incompetência ao lidar com os alimentos, permanecem. Desta forma, mais estudos são necessários para que se possa de fato avaliar a eficácia da abordagem nutricional.

">

domingo, 22 de maio de 2011

INGREDIENTES QUE FAZEM BEM AO CORAÇÃO

Vegetais - sempre 


Um importante estudo científico divulgado no periódico americano Circulation demonstrou que o consumo de proteínas de origem vegetal está associado à redução da pressão arterial, ao mesmo tempo em que confirmou estudos anteriores de que o consumo total de proteínas não aumenta os níveis de pressão sanguínea. O ácido glutâmico, principal aminoácido encontrado nas proteínas vegetais, é um dos micronutrientes que ajudam a controlar a pressão arterial. Essa é uma das formas de se explicar a razão pela qual os vegetarianos têm menor tendência a desenvolver hipertensão arterial.


Salsa

A salsa possui flavonóides que agem como antioxidantes naturais. Isso significa que eles são capazes de neutralizar os radicais livres antes que possam causar danos às células. A salsa também é fonte de ácido fólico, uma vitamina que ajuda a reduzir risco de câncer e aterosclerose. A vitamina K, que ajuda a regular a capacidade de coagulação do sangue também está presente na salsa.

Alho

O alho traz benefícios extraordinários para a saúde do sistema cardiovascular. Estudos demonstram que o consumo de alho ajuda a regular a pressão arterial. Ele faz isso através de vários mecanismos diferentes, incluindo a estimulação do óxido nítrico nas paredes dos vasos sanguíneos, o que ajuda a relaxá-los. O alho também inibe a formação de placas e reduz os níveis do colesterol considerado ruim e sua fixação na parede das artérias. O ingrediente contém alicina, que parece funcionar como um relaxante das células nervosas que se contraem com a passagem do fluxo de sangue

Manjericão


Rico em flavonoides, como a orientina e a vicenina, o manjericão é uma erva eficaz na prevenção de danos às células. É fonte de vitamina K, ferro, cálcio, vitamina A, manganês, magnésio, vitamina C e potássio. O tempero faz bem para o coração porque ajuda a evitar a formação de placas nas artérias, além de combater os radicais livres. O magnésio, por exemplo, ajuda a relaxar os vasos, o que facilita a circulação sanguínea.

Canela
Curiosamente, a canela diminui o açúcar no sangue, atuando em vários níveis diferentes. Ela ajuda a retardar o esvaziamento do estômago, reduzindo o aumento acentuado de glicose no organismo após as refeições, e melhora a eficácia ou sensibilidade à insulina. A canela também aumenta as defesas antioxidantes do corpo, que agem contra os radicais livres.


Gengibre

Sua raiz é cheia de propriedades que deixam o organismo longe de enjôos, gases, infecções e inflamações. Além disso, o sabor picante do gengibre fortalece a circulação sanguínea previne doenças cardiovascules, é antioxidante, anti-infamatório, além de dissolver gorduras.

Cebola
Meia cebola crua ou seu equivalente em polpa é capaz de aumentar o HDL (o colesterol bom) em 30%. Ela previne doenças cardiovascules, é antioxidante, antialérgico, anti-inflamatório, além de dissolver gorduras.


Sua saúde não pode passar sem estes 7 nutrientes 



Carboidratos


A Universidade de Harvard dá o veredicto: uma dieta pobre em carboidratos pode afetar a saúde das artérias, aumentando em 15% as chances de desenvolver a arteriosclerose. Fuja dos riscos comendo pão, espinafre, batata, couve-flor, nabos e cereais, por exemplo.

Veja também:
·Carboidratos - Foto: Getty Images
PÃES

Mas o consumo de carboidratos deve ser balanceado. Segundo pesquisa feita pela Universidade de Washington, nos EUA, a gengiva e os dentes sofrem por conta da fácil fermentação desses nutrientes, o que favorece a proliferação de bactérias na boca. O ideal é escovar os dentes após as refeições e nunca esquecer as visitas ao dentista, pelo menos, duas vezes ao ano.


OVOS


Estudo publicado no periódico Circulation, da Associação Americana para estudos do Coração, revela que o ácido glutâmico, presente em proteínas de origem vegetal, é um dos micronutrientes que ajuda a controlar a pressão arterial. Tofu, leite de soja, sementes de girassol, gergelim, cogumelo, sementes, oleaginosas (castanha, noz, avelã, pinhão), aveia integral, germe de milho, frutas oleaginosas (abacate, coco), batata, arroz integral, lentilha são boas fontes de proteína vegetal.


CHOCOLATE



Um estudo feito pela Universidade do Estado da Pensilvânia, nos Estados Unidos, sugere que o consumo de flavonóides pode retardar em até 8% a oxidação do colesterol ruim (LDL). Frutas, vegetais, chás, vinhos, nozes, sementes, raízes e o 
chocolate preto (quanto mais amargo, melhor) contêm flavonóides.

LEITE E QUEIJO

A vitamina D foi um dos nutrientes mais estudados em 2009. Um estudo feito pela Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, aponta que a vitamina ajuda na proteção da massa óssea, diminuindo fraturas. Outra pesquisa, feita pela Universidade de Michigan, revela que 20% dos casos de hipertensão nas mulheres são ocasionados pela falta de vitamina D no organismo. Óleo de fígado de peixe, peixes de água salgada (sardinha, arenque, salmão), ovos, carne, leite e manteiga trazem doses de vitamina D. Mas, para ela ser sintetizada pelo organismo, você precisa passar pelo menos 10 minutos diários sob o sol.

FRUTAS NATURAIS


Suplementos de vitamina C merecem atenção, segundo estudo sueco publicado no American Journal of Clinical Nutrition. De acordo com o estudo, mulheres que tomavam altas doses da vitamina aumentam as chances de desenvolveram catarata na velhice. Porém, as fontes naturais da vitamina não apresentaram riscos e retardam o envelhecimento. Abacaxi, acerola, agrião, alface, goiaba, laranja, limão, kiwi, pimentão, rúcula, alho, cebola, repolho e espinafre são alimentos ricos em vitamina C (ou ácido 
ascórbico).


SALMON



A falta de consumo de ômega-3, gordura que beneficia o cérebro, pode ser decisiva para o surgimento de doenças mentais segundo estudo feito por cientistas do National Institute on Alcohol Abuse and Alcoholism, nos Estados Unidos. De acordo com os especialistas, a ausência deste ácido graxo pode estar associada ao aparecimento de problemas no funcionamento do cérebro.





Especialistas dão dicas de um banquete mais saudável para as festas de fim de ano


Priscila di Ciero


  • Farofa de milho com frutas secas, castanha do Pará e ervas finas

    Giulia Batelli

    Rabanada, peru, pernil, fios de ovos, arroz com lentilha e panetone. Com a chegada do fim do ano, a mesa de jantar das casas brasileiras vai ficando parecida. Nessa época, é comum as pessoas excederem na alimentação. Mas para quem gosta de manter uma refeição equilibrada até nas festas de final de ano, o Mundo Ela dá algumas dicas.

    A nutricionista Priscila Di Ciero afirma que não há problema em sair um ou dois dias da dieta. "Mas é comum a pessoa sentir mal estar, peso no estômago, dor de cabeça, e, às vezes, até diarréia por fugir muito do hábito alimentar equilibrado", explica. Para diminuir o mal estar, a profissional aconselha ingerir chá de ervas caseiro, como o chá verde, e adicionar gengibre na água para ajudar a desintoxicar o organismo.
    Uma opção para manter a refeição pouco calórica e mais saudável é substituir alguns ingredientes por outros. Um bom exemplo é utilizar maionese, que possui gordura insaturada - a chamada "gordura boa", no lugar do creme de leite, que contém gordura ruim. Mas o chefe de cozinha Marco Antonio Spinoza alerta que mudar de ingrediente altera um pouco o paladar do prato. "Não tem como substituir o sabor de um creme de leite, de uma margarina. Muda um pouco o sabor", informa. Em vez disso, Spinoza sugere que se faça um prato mais leve como peixe cru com creme de pimenta.

    Priscila indica algumas mudanças que podem ser feitas no banquete. Em vez de fritar as rabanadas, procure assá-las no forno e use pão integral. No lugar da farofa de miúdos com bacon, pode-se fazer uma farofa de frutas secas e castanha. O arroz natalino pode ser substituído pela mistura do arroz branco com o integral. Pode-se adicionar à maionese de legumes, iogurte desnatado dessorado (para dessorar o iogurte desnatado, coloque-o em um tecido fino e limpo e deixe-o descansar, durante um dia, em cima de uma peneira e um copo em baixo).
    A nutricionista alega que devem ser evitados o consumo excessivo de frituras, doces com muito recheio, cobertura e chantilly e, também, bebida alcoólica. "Se quiser comer de tudo, que coma de tudo, mas em pequenas quantidades", explica.

    Equilíbrio

    Na casa da universitária Ana Beatriz Silva, de 21 anos, segundo ela, a refeição é farta e muito calórica. "Mas eu nunca como de tudo. Não curto comida gordurosa. Diante de várias opções, a estudante procura eleger aquilo que mais gosta para não comer demais, o que, para ela, é uma tarefa tranquila. Difícil mesmo é resistir à tentação dos doces. "Tento comer muitas frutas antes da ceia. Assim, quando chegarem as sobremesas, meu apetite estará menor" afirma. Ana Beatriz conta que na família dela há muitas pessoas com diabetes e problema de coração e que, por isso, tenta ter consciência na hora de se alimentar.

    Tiradito ao creme de pimenta

    (A quantidade indicada dá para 4 pessoas)
    Ingredientes:
    - 800 g de peixe branco
    - 500 ml de pasta de pimenta
    - 200 ml de suco de limão
    - 200 ml de creme de leite
    - Sal e glutamato a gosto
    - Batata doce e milho para decorar

    Preparo:

    Prepare o creme com pasta de pimenta, suco de limão, creme de leite, sal e glutamato. Corte o peixe em lâminas muito finas e coloque em um prato. Por fim, cubra o peixe com o creme de pimenta. Sirva com batatas doces e milho.

    Farofa de milho com frutas secas, castanha do Pará e ervas finas
    Ingredientes:
    - 200 g de milho flocado (prefira o orgânico)
    - 8 colheres (sopa) de frutas secas variadas picadas (abacaxi, damasco, uva passa etc.)
    - 5 colheres (sopa) de castanha do pará picadas
    - 2 dentes de alho em lâminas finas
    - 3 colheres (sopa) cheias de azeite de oliva
    - 1 colher (sopa) de ervas finas desidratadas
    - Sal a gosto

    Preparo:

    Coloque o azeite em uma panela e frite o alho até dourar. Acrescente as frutas secas, as ervas e o sal. Ponha a farinha de milho e mexa delicadamente, por 5 minutos ou até que doure. Desligue o fogo e acrescente as castanhas.